LAPAROSCOPIA X LAPAROTOMIA

Para lá do benefício estético e funcional derivado do pequeno tamanho das incisões, a cirurgia laparoscópica apresenta cada vez mais vantagens em relação à cirurgia convencional, a laparotomia. Enquanto a cirurgia convencional padece de pouca evolução nas suas técnicas e abordagens, a cirurgia laparoscópica desde o seu início que continua a se aperfeiçoar a nível tecnológico e de instrumentação.

A laparoscopia (cirurgia através de um orifício) permite a inspeção visual dos órgãos internos do abdômen e da pélvis. Trata-se de um método utilizado para examinar diretamente os ovários, as trompas de Falópio e as estruturas circundantes para verificar se são normais. Sob anestesia geral, um instrumento telescópico, tão fino quanto um lápis, é introduzido imediatamente abaixo do umbigo para permitir o exame dos órgãos pélvicos, nomeadamente o útero, as trompas de Falópio e os ovários. Para facilitar a visualização das estruturas, o abdômen é ligeiramente distendido com a ajuda de dióxido de carbono. É então efetuada uma ou duas incisões, pequenas, imediatamente acima da linha dos pelos púbicos, para inserir os instrumentos cirúrgicos.

Dentre os seus principais benefícios estão: as reduzidas perdas sanguíneas, que originam uma menor necessidade de transfusões de componentes hemáticos; diminuição da demora média no internamento, com menos dor, o que acarreta uma inferior necessidade de utilização de terapêuticas analgésicas pós-operatórias; e menos risco de infecção cirúrgica.

A laparoscopia é frequentemente realizada quando o médico suspeita de endometriose por a paciente ter se queixado, por exemplo, de dores pélvicas. Ao mesmo tempo, o médico pode verificar se existe aderências ou outras anomalias. Outra vantagem deste exame consiste no fato de, caso seja confirmada a endometriose, o tratamento poder ser iniciado imediatamente, pela cauterização ou de um tratamento por laser para remover a endometriose ou as aderências.

A laparoscopia permite ainda examinar as trompas de Falópio de forma mais direta do que outros exames. A introdução de um corante no útero permite que o médico verifique se o mesmo aparece nas extremidades das trompas e, desta forma, avaliar se as trompas de Falópio estão ou não obstruídas. Por este motivo, esta operação é também designada por laparoscopia com exame das trompas.

Após o exame, a mulher poderá sentir náuseas e/ou dores abdominais durante algumas horas. Os ombros também poderão ficar doridos. O exame deixará pequenas cicatrizes que, ao fim de algum tempo, serão quase imperceptíveis. Tal como acontece com qualquer outra intervenção cirúrgica, existe um pequeno risco de complicações, tais como hemorragias ou infecções. Porém, mesmo o óbito pode acontecer. A recuperação decorre geralmente sem problemas e as atividades normais podem ser retomadas rapidamente.

Laparotomia: maior agressão ao organismo

A laparotomia significa “abertura cirúrgica da cavidade abdominal” no conceito da maioria dos cirurgiões. A abertura da cavidade abdominal para fins diagnóstico e terapêutico não é recente, remonta a antiguidade. Entretanto, se tornou um procedimento rotineiro a partir dos meados do século 20, com o advento das drogas curarizantes e da entubação orotraqueal, que facilitaram de sobremaneira as manobras de abertura e fechamento da parede abdominal.

O melhor conhecimento dos aspectos anátomo-funcionais da parede abdominal e dos mecanismos do processo de cicatrização da ferida cirúrgica, contribuíram significativamente para a redução das complicações pós-operatórias das laparotomias. A partir de 1988, o avanço tecnológico na área médica permitiu o desenvolvimento da videolaparoscopia, que vem gradativamente substituindo a laparotomia convencional em vários procedimentos.

A laparotomia envolve uma incisão no abdômen para acessar órgãos internos. A colocação, comprimento e direção de incisões variam de acordo com o procedimento cirúrgico. Considerando um mini-laparotomia pode envolver uma incisão 8 a 10 cm horizontalmente na virilha, uma laparotomia exploratória pode envolver uma incisão vertical que corre todo o comprimento do abdômen. O comprimento da incisão e o procedimento realizado irão determinar o tempo de recuperação com as cirurgias mais extensas que requerem um período de recuperação mais prolongada.

A laparotomia é considerada uma cirurgia desconfortável, agressiva ao organismo e que deixa cicatrizes. Além disso, causa mais dor, o que favorece um retorno tardio às atividades cotidianas. Outra desvantagem da laparotomia em relação à laparoscopia é a probabilidade de infecção. Mas, a laparotomia tem suas indicações em ginecologia, como para extração de miomas grandes ou múltiplos. Nestes casos, as videolaparoscopia não estaria indicada. Então, não a videolaparoscopia não é melhor que a laparotomia, tem que se indicar corretamente qual a melhor via de acesso.

 

Fonte – ginecologista Joji Ueno (CRM-48.486), doutor em medicina pela Faculdade de Medicina da USP, responsável pelo setor de Histeroscopia Ambulatorial do Hospital Sírio Libanês e Diretor na Clínica Gera (www.clinicagera.com.br). 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


+ 5 = 13

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>